Reconhecimento de 22 profissões pelo MTP não é suficiente para os profissionais destas áreas

In Economia, Geral

Personal organizers e policiais penais afirmam que reconhecimento não regulamenta os direitos trabalhistas.

Gabrielle Ramos Venceslau

O Ministério do Trabalho e Previdência (MTP) reconheceu 22 profissões no dia 15 de março. A partir disso, as profissões foram incluídas na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), totalizando  2.269 ocupações reconhecidas no país. Reconhecimento que é importante para a formulação de políticas públicas de emprego para as profissões como personal organizer e policial penal.

Para o reconhecimento de uma ocupação é necessário um estudo das atividades e do perfil da categoria. Informações descritas na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), demandas geradas pelo Sistema Nacional de Emprego (SINE), pelas associações e sindicatos (trabalhistas e patronais) e por profissionais autônomos são levadas em consideração.

Contudo, esse reconhecimento não regulamenta a profissão. O MTP afirma que a categoria apenas é validada por meio de uma Lei do Congresso Nacional e sancionada pela presidência. Apesar disso, o reconhecimento é importante para a formulação de políticas públicas de emprego, que visam combater ou frear o desemprego, por meio de  programas de formação profissional e políticas de promoção de emprego. Os dados da CBO alimentam as bases estatísticas de trabalho para esses projetos.

Nesse processo são realizadas entrevistas com os trabalhadores da área e analisadas as mudanças nos cenários cultural, econômico, social e principalmente tecnológico do país, que provocam alterações no mercado de trabalho brasileiro. 

A lista deste ano reflete a necessidade de profissionais específicos para determinados setores, é o caso do oficial de proteção de dados pessoais (DPO), que surgiu com a entrada em do Marco Civil da internet e da Lei Geral de Proteção de Dados. Outro exemplo são as conquistas dos skatistas profissionais durante as Olimpíadas de Tóquio 2020, que ganharam três medalhas de prata para o Brasil, por meio dos atletas Rayssa Leal, Kelvin Hoefler e Pedro Barros. 

Veja abaixo a lista completa das novas ocupações:

  • Analista de e-commerce
  • Condutor de turismo náutico
  • Controlador de acesso
  • Engenheiro de energia
  • Engenheiro biomédico
  • Engenheiro têxtil
  • Estampador de placa de identificação de veículos (PIV)
  • Guarda portuário
  • Greidista
  • Inspetor de qualidade dimensional
  • Obstetriz
  • Oficial de proteção de dados pessoais (DPO)
  • Operador de manutenção e recarga de extintores de incêndio
  • Operador de usina de asfalto
  • Perito judicial
  • Policial penal
  • Profissional de organização (personal organizer)
  • Skatista profissional
  • Somelier
  • Técnico em agente comunitário de saúde
  • Tecnólogo em agronegócio
  • Técnico em dependência química

Impacto desse reconhecimento para os profissionais

O reconhecimento dessas profissões pelo Ministério do Trabalho interfere diretamente no trabalho dos profissionais da área. É o caso da personal organizer Sheila Procopio, que leva soluções por forma da organização física, de espaços, e pessoal, ajudando na rotina e bem-estar de seus clientes e o de Ely Silva Xavier, que é policial penal, oficial responsável por custodiar os presos, levá-los para as audiências, manter a ordem e disciplina no interior e exterior das unidades prisionais, dentre outras atividades.

Sheila diz que por lidar diretamente com casas e famílias, a profissão se confunde algumas vezes com o trabalho de empregada doméstica. Mas o serviço oferecido pelos personal organizers não é de limpeza e sim de organização, apesar da limpeza e organização estarem juntas no processo como um todo. Assim ela afirma “esse reconhecimento nos trará segurança”. A partir disso, as oportunidades de emprego cresceriam, “podemos organizar casas, empresas, laboratórios, barcos, rotinas, dentre outros”, relata a personal organizer.

Contudo, esse reconhecimento ainda não garante a regulamentação da profissão, que inclui os direitos trabalhistas, como o piso salarial, jornada de trabalho e adicionais. Ely conta que “é muito importante ser inserido numa regulamentação”, além do reconhecimento pelo MTP, pois, todos os profissionais precisam de direitos. Ele enfatiza que a profissão de policial penal é a segunda mais estressante do mundo, de acordo com a Organização Internacional do Trabalho, e que em muitos estados a profissão ainda não se encontra regulamentada.

A regulamentação da profissão de personal organizer é essencial na visão da Sheila, podendo produzir diversos benefícios, dentre eles: “segurança no trabalho, direitos trabalhistas e abertura de portas para o fornecimento de notas”. Ela afirma que “já temos pessoas lutando por essa regulamentação aqui no Brasil”, se referindo à Associação Nacional de Profissionais de Organização e Produtividade (ANPOP).

O policial penal diz que no estado em que trabalha, Rio Grande do Norte, a profissão é regulamentada por lei e “isso garante os mesmos direitos dos demais da segurança pública”. Além disso, ele afirma que o número de pessoas inscritas nos concursos para ser policial penal aumentou, após a regulamentação e melhora do salário. Isso evidencia a importância que a regulamentação tem, apesar da conquista do reconhecimento pelo Ministério do Trabalho e Previdência.

You may also read!

Estrangeiros vieram mais ao Brasil

Entrada de estrangeiros no Brasil é 60% maior que em 2021

Embratur indica que as viagens de estrangeiros no Brasil e na América Latina devem voltar aos níveis pré-pandemia até

Read More...
buraco atacama

Buraco de 200 metros de profundidade surge no deserto do Atacama

Autoridades começaram as investigações de um buraco gigante que surgiu em uma região de mineração no norte do Chile.

Read More...
Jô Soares morre

Jô Soares morre aos 84 anos

O apresentador Jô Soares foi internado para tratar uma pneumonia e faleceu na madrugada desta sexta-feira Paula Orling O

Read More...

Leave a reply:

Your email address will not be published.

Mobile Sliding Menu